Domingo, 30 Abril 2017
17º Congresso Espírita do Estado da Bahia
XIX Caravana Baiana da Fraternidade
Dia Estadual Espírita da Educação

Destaques

FEEB Divulga Calendário de Palestras do Mês d…

Atividades públicas das quartas-feiras (Abril), das 19h as 20h, na sede A...

O Livro dos Espíritos: 160 anos revelando a …

1- A presença de espíritos atuando no mundo físico data da ...

Participe da Conclusão da Obra da Sede Admini…

Seja um colaborador desta obra, depositando qualquer valor na conta: Federa&cce...

Organizadores do encontro microrregional da á…

A Federação Espírita Brasileira (FEB) juntamente com as fed...

Unificação no movimento espírita – Uma justificativa evolucionista

Desde os seus primórdios o Espiritismo adotou como princípio basilar a evolução. Indo além do materialismo vigente e das explicações lamarckianas e darwinistas enunciou que há na natureza um encadeamento do átomo , símbolo físico, ao arcanjo, estágio mais elevado do ser espiritual; e este iniciou sua saga evolutiva na condição simples de matéria atômica.

Em ensaios mais recentes os espíritos descrevem a dinâmica da evolução como um ato criativo que gera a fisiosfera, donde emerge a biosfera, que se autotranscende na noosfera e deverá culminar na teosfera. Equivale dizer que da matéria emerge a vida, desta o pensamento,e a seguir a vivência numinosa. Em cada fase construímos formas mais complexas para expressar o desenvolvimento do ser psíquico.
Uma observação acurada da evolução revela que a mesma é um processo que atende a certos princípios. Entre eles está a integração. Assim seres se unem para formar algo novo, mais complexo, com competências e propriedades impossíveis de serem deduzidas dos seus integrantes. Um exemplo clássico do mundo material é a molécula de água, formada de átomos  de hidrogênio e oxigênio cujas propriedades não possibilitam antever a condição de solvente universal da água. Hodiernamente dizemos que somos todo/parte ou hólons ou unidades coletivas. Qualquer  uma destas denominações significa que todo organismo ou individuação é formado de partes menores e componente de um todo mais complexo.

A evolução consiste em criar todos mais complexos sejam eles físicos, biológicos, sociopsicológicos ou espirituais em consonância com a proposição de que qualquer avanço evolutivo ocorre  através da superação da fragmentação pela ação unificadora. É o fenômeno de auto-transcendência. Isto não resulta em perda de identidade ou dissolução. Pelo contrário trata-se de enriquecimento de competências, geração de algo mais evoluído, aproximação da totalidade que é plenitude. Assim  podemos dizer que todas as expressões sociais que, ao tempo que preservam a  individuação, as entrelaçam em formas existenciais mais complexas representam passos  evolutivos. Assim o individual se transforma em  coletivo, o diverso em uno. O projeto espírita de unificação pode ser compreendido como parte deste fenômeno evolutivo. Pessoas se unem em instituições e geram um novo organismo capaz de realizar o impensável individualmente. Instituições se agregam em redes de atuação federativa e constroem novas possibilidades de autotranscendência. Redes federativas fazem emergir paradigmas para comunidades e estas se  constituem em novas formas existenciais mais complexas e competentes em expressar um mais elevado estágio evolutivo. Assim avançamos até nos sentirmos parte do Todo Universal  a que chamamos Deus. Trabalhar  pela unificação do movimento espírita é estar alinhado com o princípio evolucionista da integração. Assim conservaremos a nossa autonomia  na diversidade das individuações e faremos a autotranscendência unindo-nos aos outros.

Federação Espírita do Estado da Bahia

Rua Coronel Jayme Rolemberg, 110 Bela Vista de Brotas CEP 40279-140 Salvador-BA

Telefone (71) 3359-3323

Newsletter

Assinne a nossa newsletter. Não perca nossas notícias e novidades.

Não enviamos spam!