Sexta, 23 Junho 2017
17º Congresso Espírita do Estado da Bahia
Macrorregional 2017
Seminário AME

Destaques

Federação Espírita do Estado da Bahia começa …

Os Encontros Macrorregionais 2017, ano especial em que todo o movimento espírita...

Médicos Espíritas Baianos vão debater Saúde e…

A necessidade de uma religação de saberes, com ênfase na saúde e educação no tra...

O Livro dos Espíritos: 160 anos revelando a …

1- A presença de espíritos atuando no mundo físico data da ...

Participe da Conclusão da Obra da Sede Admini…

Seja um colaborador desta obra, depositando qualquer valor na conta: Federa&cce...

Leopoldo Machado e a Caravana da Fraternidade

“serão conhecidos por muito se amarem”
Jesus

Era o início da década de 50, no século passado, na bela Parnaíba, litoral do Piauí, quando aconteceu na cidade natal de Humberto de Campos, uma cena doce e pitoresca, protagonizada por senhores distintos que vieram do sul do país: abraçaram um cajueiro!

A mãe do grande contista que seria o personagem principal da querela que levaria a justiça brasileira a decidir sobre os direitos autorais de um “defunto” pedia aos componentes do que ficou conhecida como a Caravana da Fraternidade que abraçassem o cajueiro do seu filho ilustre declarando que não aprovava o processo movido por seus parentes por conta da obra psicografada por Chico Xavier.

Esse ato simboliza muito do que levou os caravaneiros Artur Lins de Vasconcelos (PR), Carlos Jordão da Silva (SP), Francisco Spninelli (RS), Ary Casadio (SP) e Leopoldo Machado (RJ) saírem da Rio de Janeiro no dia 31 de Outubro de 1950 e percorrerem o norte e nordeste do Brasil.

Leopoldo Machado foi o grande mobilizador da iniciativa que visava uma maior aproximação dos espíritas afim de que todos os estados do Brasil pudessem fazer parte do Conselho Federativo Nacional firmado pelo Pacto Áureo, que uniu a maioria dos espíritas e formatou o movimento espírita como conhecemos hoje.

Certamente não causou surpresa em seus pares a iniciativa do baiano que já era conhecido pelo seu entusiasmo, carisma e compromisso com a divulgação do Espiritismo. Leopoldo Machado nasceu em Jandaíra (BA) em 30 de setembro de 1891 e tornou-se espírita através de José Petitinga e não tardou a seguir o exemplo destemido do fundador da Federação Espirita do Estado da Bahia.

Nos anos que se seguiram ele procurou difundir a Doutrina Espírita por todos os meios possíveis, fomentou a criação das juventudes espíritas, da evangelização infantil, das semanas e congressos espíritas usando para isso seu entusiasmo fraterno bem como o brilhantismo intelectual que exibia como jornalista, escritor e poeta nas muitas palestras que fez em vários estados do Brasil.

Além do mais teve a maturidade espiritual de entender que a união entre os espíritas não poderia ser obtida através de “normativas” e “acordos” vindos de uma organização central. Era preciso uma união de corações afim de superar os pontos de vista que existiam entre os espíritas em torno de uma causa comum.

Portanto saíram nossos caravaneiros durante 40 dias a percorrer o Brasil, numa época em que não existiam as facilidades que temos hoje, em programa de divulgação doutrinária e debates francos, onde muitas vezes lideranças calaram divergências em prol da formação de federações estaduais, outras vezes fizeram esforços para contemporização com outras vertentes religiosas em momentos difíceis; preferiram quase sempre a acomodação nos lares dos confrades a fim de, através da prática do evangelho, formar uma grande família.

Num mundo que só enxerga as grandes obras pelo seu peso em concreto ou por documentos imponentes, um grupo de pessoas erigiu uma obra eterna do qual o nosso país e o mundo são grandemente beneficiados até hoje por um abraço à sombra de um cajueiro…

Marcelo Martinho

 

Federação Espírita do Estado da Bahia

Rua Coronel Jayme Rolemberg, 110 Bela Vista de Brotas CEP 40279-140 Salvador-BA

Telefone (71) 3359-3323

Newsletter

Assinne a nossa newsletter. Não perca nossas notícias e novidades.

Não enviamos spam!